Accessibility navigation


Tempo, magnitude e o mito do cinema moderno

Nagib, L. (2014) Tempo, magnitude e o mito do cinema moderno. Aniki: Portuguese Journal of the Moving Image, 1 (1). pp. 8-21. ISSN 2183-1750

[img]
Preview
Text (Open Access) - Published Version
· Available under License Creative Commons Attribution.
· Please see our End User Agreement before downloading.

157kB
[img] Text - Accepted Version
· Restricted to Repository staff only

157kB

It is advisable to refer to the publisher's version if you intend to cite from this work. See Guidance on citing.

Official URL: http://aim.org.pt/ojs/index.php/revista/article/vi...

Abstract/Summary

Neste texto, irei abordar três filmes ambientados em Portugal, cujas locações oferecem uma visão privilegiada da função do tempo e da magnitude no cinema, os quais, por sua vez, nos permitem reavaliar as categorias de clássico, moderno e pós-moderno aplicadas a esse meio. Trata-se de O estado das coisas (Der Stand der Dinge, Wim Wenders, 1982), Terra estrangeira (Walter Salles and Daniela Thomas, 1995) e Mistérios de Lisboa (Raúl Ruiz, 2010). Neles, a cidade se compõe de círculos viciosos, espelhos, réplicas e mise-en-abyme que interrompem o movimento vertiginoso característico da cidade modernista do cinema dos anos 20. Curiosamente, é também o lugar em que a assim chamada estética pós-moderna finalmente encontra abrigo em contos auto-irônicos que expõem as insuficiências dos mecanismos narrativos no cinema. Para compensá-las, recorre-se a procedimentos de intermídia, tais como fotografias de polaroid em O estado das coisas ou um teatro de papelão em Mistérios de Lisboa, que transformam uma realidade incomensurável em miniaturas fáceis de enquadrar e manipular. O real assim diminuído, no entanto, se revela um simulacro decepcionante, um ersatz da memória que evidencia o caráter ilusório da teleologia cosmopolita. Em minha abordagem, começarei por examinar a gênese interligada e transnacional desses filmes que resultou em três visões correlatas mas muito diversas do fim da história e da narrativa, típico da estética pós-moderna. A seguir, irei considerar o miniaturismo intermedial como uma tentativa de congelar o tempo no interior do movimento, uma equação que inevitavelmente nos remete ao binário deleuziano tempo-movimento, que também irei revisitar com o fim de distingui-lo da oposição entre cinema clássico e moderno. Por fim, irei propor a stasis reflexiva e a inversão de escala como demonominadores comuns entre todos os projetos ditos modernos, que por esta razão, segundo creio, são mais confiáveis que a modernidade enquanto indicadores de valores artísticos e políticos.

Item Type:Article
Refereed:Yes
Divisions:Faculty of Arts, Humanities and Social Science > School of Arts and Communication Design > Film, Theatre & Television
ID Code:36634
Uncontrolled Keywords:Cinematic time, cinematic scale, moderity
Additional Information:Title translates as: Time, scale, and the myth of modern cinema
Publisher:AIM - Associação de Investigadores da Imagem em Movimento

Downloads

Downloads per month over past year

University Staff: Request a correction | Centaur Editors: Update this record

Page navigation